05 outubro 2012

Falam mal de mim porque eu sou homo (gay)


Quando me falam: eu não estou nem ligando para o que falam sobre mim, sempre penso que quem faz tala firmação está tentando se enganar. Certa vez fui ao médico com uma amiga, o medico que lhe atendeu disse: você tem que aceitar que está com diabetes em nível avançado, assim fica mais fácil de tratar. Nossa!  Quanta estupidez eu pensei, se não aceitamos nem uma dor de barriga, como aceitar uma droga de doença que se tem que cuidar pra toda vida? Como aceitar uma critica sobre algo que não podemos mudar de alguém que amamos?

Assim como uma doença chata, quando alguém fala mal de nossa sexualidade, devemos mesmo é dizer para nós mesmo: Bem, não gostei do que esse ser humano falou de mim, como não posso mudar a opinião dela devo aprender a viver com esse tipo de gente e levar minha vida em frente.

Sempre fui contra a frase feita: “ele(a) não paga minhas contas mesmo, não estou nem aí pra que ele(a) diz”. Existem pessoas que não fazem a menor diferença em nossa vida, sobre o que pensam ou deixam de pensar sobre nós, porem há pessoas próximas de nós que nos magoam mesmo com suas observações, machuca por ser um parente, um familiar que amamos e não queríamos ouvir aquilo da boca delas, aprender a conviver com esse tipo de gente é o mais sensato, dizer a nós mesmos que talvez não consigam mudar a cabeça dessa pessoa em relação a minha sexualidade.

Importar-me com algo é uma coisa e outra coisa é se deixar abater, se menosprezar, não ter força para continuar a frente por causa de uma opinião totalmente diferente do que gostaríamos de ouvir. Importante é conviver com o diferente, é isso que esse tipo de gente que agride não tem capacidade de fazer.

Também não devemos repetir o comportamento desse tipo de gente com outras pessoas que são diferentes de nós, se criticamos somos tais quais os seres que condenaram anteriormente. Não podemos deixar outros, com suas observações, destruir nossas vidas. Para sua felicidade pessoal, erga a cabeça, siga a diante, use a crítica negativa para crescer, deixe a vida, o tempo provar a essa pessoa quem você é, uma pessoa de bom caráter e que faz a diferença dentro da sociedade que temos.

04 outubro 2012

Sexo casual sem compromisso


Tem locais do mundo com locais específicos onde as pessoas vão em busca do tema em pauta, evidente que aqui também há e nos dias de comunicação instantânea a internet e celular são mecanismo que ajudam consideravelmente para quem busca "umazinha" rapidinha e sem compromisso.

Dentro de nossa cultura latina e machista isso é mais comum entre nós homens. Em particular não tenho nada contra nem a favor, muito pelo contrario, mas há quem seja totalmente contra, ache isso um absurdo. Tudo bem também para quem faz essa ligação de sexo e sentimento, mas há quem não faça e cada qual deve ser respeitado, como falam: “cada um no seu quadrado”.

Penso que seja normal os adeptos e não adeptos, mas algumas coisas devem ser observadas por quem curte a “parada”, vou aqui levantar algumas, mas evidente que há muito mais.

1-    Não sair pensando que todas as pessoas sã iguais, ir com calma na abordagem do outro vendo o que ele realmente quer e gosta.

2-    Em comunidades e grupo da internet, hoje em dia comunidades do fecebook, leia pelo menos a que aquele grupo se destina, se ali não descreve a sua “praia” não perturbe as pessoas com suas taras, vá atrás de outra.

3-    Em caso de adultos procure pessoas de idade próxima sua, a desculpa de que o menor ou a menor de idade sabia que você é adulto não interessa para justiça, você pode parar atrás das grades e vida de quem comete esse tipo de crime não é fácil na cadeia.

4-    Tome todas as medidas de precaução para não entrar em uma roubada, você não sabe com quem está saindo e do que ela é capaz, avise um amigo uma amiga do que vai fazer e com quem está saindo.

5-    Faça uma boa higiene de seu corpo, assim não irá fazer oi outro passar mal com seus odores desagradáveis.

6-    Tente perceber como é o corpo do outro, se não tem algum tipo de doença de pele.

7-    Tente escolher um local descente para seu ato de sexo.

8-    Use sempre camisinha, quem vê cara não vê DST, pense em sua saúde depois do sexo.

A mente humana é cheia de variações, cada um é dono da sua e todas devem ser respeitadas, em tudo deve haver consenso e respeito ao outro. Se for dono das maiores perversões sexuais deve-se respeitar quem não as tem. Se você tem certeza do que quer parabéns, mas nunca deixe de se perguntar: Por que você está em busca de sexo deste modo? Será que isso não é só um desejo de momento? Creio que uma masturbação muito bem feita é melhor que situações desagradáveis na qual alguém pode se submeter, conheço pessoas que se deram mal nesse tipo de encontro para sexo casual. Mas bem, como cada cabeça é uma cabeça tem sua sentença, espero que sua opção seja a melhor para você. 

30 setembro 2012

Meu Namorado tem HIV 2


De todos os textos que escrevi e que mais recebo email pedindo informações, dicas, orientações é “Meu Namorado tem HIV”  (http://herycon.blogspot.com.br/2010/12/meu-narorado-e-tem-ihv-soropositivo.html  ) e isso me deixa sensibilizado, pois quem pede socorro são seres humanos tal qualquer um que merece ser  feliz. Não sou nenhum especialista na área de HIV/AIDS, mas no que posso ajudar fica aqui as ultima informações que consegui coletar sobre o assunto.
Hoje em dia não há motivo para se desesperar com o HIV, claro que se deve continuar cuidando usando camisinha e fazendo acompanhamento medico. Os medicamentos atuais garante uma ótima qualidade de vida, mas para isso devem ser tomados segundo a recomendação medica. É sempre bom fazer o teste para o HIV, se caso detectado seguir com tratamento com infectologista, o teste é bom porque evita descobrir o vírus em estagio avançado no organismo, evitando internações e óbito, quem descobre sedo e faz acompanhamento medico tem uma qualidade de vida muito boa. Sendo assim não tenha medo faça a testagem para o HIV.
Em caso de namoros onde um dos parceiros vive com o vírus e o outro não está provado que quem toma os medicamentos corretamente tem uma possibilidade muito pequena de transmitir o vírus a seu parceiro (a). Hoje há um medicamento preventivo contra o vírus para soros divergente (quanto um tem e o outro não) chamado truvada, mas vale ressaltar que ele causa muitos efeitos colaterais, e ainda sua proteção não é de 100%, ele só tem efeito sobre o HIV, sendo assim não se exponha a outras doenças sexualmente transmissíveis (use camisinha se tem vida sexual ativa com mais de um parceiro ou parceira).
A sorologia de quem vive com o HIV diz respeito a essa pessoa, não saia falando para todo mundo que vive com o vírus, há muita gente por aí que não tem informação alguma, é cheia de preconceito e ignorância. Em todo quase todo Brasil existem grupos de pessoas vivendo com HIV, nesses grupos você pode tirar muitas duvidas e ajuda de como uma ótima qualidade de vida, acredito em todo lugar onde há acompanhamento de pessoas vivendo com o HIV haja alguém que pode de dá informações sobre tais grupos.
Algumas pessoas defendem que para uma ótima adesão ao tratamento contra o HIV é preciso aceitação de que se está com o vírus, em particular não aceito nem dor de barriga, imagina viver com um vírus, penso que aceitar nunca, mas reconhecer e encarar tal problemática são os caminhos mais sensatos para um tratamento mais eficaz e vida mais saudável.
Conheço algumas pessoas vivendo, não me sinto nem melhor nem pior que elas, só devem ter um acompanhamento medico diferenciado, posso até dizer que algumas delas são as melhores pessoas que alguém pode querer conhecer durante sua vida aqui na terá.  Não tenha receio de viver, com o tempo você acaba reconhecendo que quem tem o essencial que é a vida não pode se deixar levar pelos assessórios que carregamos com elas, as doenças e problemas. Faça seu acompanhamento medico corretamente e seja feliz, você terá assim muitos anos de felicidade e quando estiver bem velhinho (a), irá olhar para trás e dizer, como foi bom ser feliz! Abraços fiquem com Deus!

video




24 agosto 2012

O mundo é gay. Será mesmo?


O mundo é gay! Há algum tempo ouço essa frase de alguns colegas gays, para alguns deles isso é uma verdade absoluta, incondicional, imutável, e se alguém discorda é chamado de sego, tonto, bicha lesa... Concordo que de fato existam muitos homoafetivos no mundo, há quem afirme que 10% da humanidade é gay, não sei se essa porcentagem é real ou não, mas não posso sair falando que o mundo é gay a partir de minha visão particular da humanidade. Quem é homo tem maior capacidade de observar outros pelas ruas, no trabalho, na escola..., no entanto os heteros fazem a mesma leitura do mundo que os cerca, sem falar que há muitos gays exagerados que querem levar todos os demais para o “reduto”.

Há heteros que afirmam que estamos vivendo um período de imposição gay na mídia, nos governo..., se aborrecem por isso, reclamam. Eu creio que existe de fato “um modismo gays no ar”, mas como toda a moda irá passar. Sendo assim os heteros incomodados com os gays não precisam se “descabalar”, homos serão sempre homos e heteros serão sempre heteros, não há necessidade de gays ficarem afirmando que o mundo é gay ou heteros falando que não devemos ter espaço (casamentos, direitos) e coisas do gênero. Estando inseridos em uma sociedade e pagamos nossos impostos, somos todos iguais em direitos e deveres. Como disse antes homo é homo, hetero e bi é bi, cada um deve procurar viver sua sexualidade como melhor lhe convêm, um respeitando o outro.

Certa vez perguntei a minha mãe em um shopping se ela percebia os gays que passavam por ali naquele momento, então ela parou olhou para todos os lados e disse “meu filho para mim todos aqui são pessoas”. Quanta inteligência nãos? A coisa é bem por aí, somos todos humanos, pessoas. Em que a sexualidade do outro deve me incomodar? Para que ficar afirmando que o mundo é gay? Isso irá melhorar o mundo em que? Para que agredir gays? Aos heteros homofóbicos digo que se todos os gays do planeta morressem nesse momento, certamente muitos amigos teus iriam junto, e daqui a algum tempo existiriam novos gays, pois quem são os maiores reprodutores de homos são vocês. Aos homos homofóbicos digo: vão se tratar dessa patologia psicológica, arrumar um parceiro ou parceira do mesmo sexo e ser feliz.

Sabendo que somos pessoas, devemos sim construir sempre uma sociedade mais justa onde todos tenham direito, respeito, comida, condições de vida dignas... Pertencemos na mesma raça, que definimos como humanas, na medida em que nos desrespeitamos mostramos que não fazemos parte dele. Construamos junto um mundo melhor!

10 agosto 2012

O que pensam sobre o jeito gay de ser

Há muita gente que diz não se importar com o que falam delas, até o momento que algum comentário positivo é ser feito e essa pessoa se envaidece toda, ou pior ainda, quando um negativo surge e logo a raiva, a retribuição “da gentileza” (vingança), o ficar de mal aparece.

Na real creio que nos importamos sim sobre o que falam da gente, então sai perguntando o que pensam dos homoafetivos. Um rio de bobagens surgiu nas respostas. Minha mãe chegou comentar comigo que acreditava que os ambientes gays são uma depravação total, “deve ser um tira-tira, um mete-mete” falou ela pensando sobre boate GLS, que para ela eram pura orgia. Minha irmã acha que entre gays não há fidelidade, mesmo sabendo que eu tenho namorado sugeriu que eu ficasse com um amigo dela, quando comentei que tenho um amigo hetero querendo trocar uns carinhos com ela, disse “eu tenho parceiro me respeite”, então comentei “eu também tenho, ou você acha que só pelo fato de você ser hetero e eu homo a minha vida afetiva é bagunçada e a tua seria?”.

Conversando com outras pessoas falavam, gay são todos alegres, brincalhões, é tudo depravado, vivem todo tempo e a toda hora atrás de sexo, são um bando de rasgadinho desocupados que passam a noite no vicio do sexo, todos pensam somente em sacanagem festas, drogas, são fúteis... É claro que eu concordei que há muita gente no meio da comunidade homo desta forma, porém alertei que o mesmo existe da comunidade hetero que era só pensarem um pouco e veriam o mesmo entre eles, ou seja, que não somos diferentes deles. Estudamos, trabalhamos nos divertimos..., do mesmo jeito que qualquer ser humano normal faz, até apresentei alguns exemplos de heteros viciados em sexo, em droga, depravação...

Pior de tudo isso é que com alguns homos com quem conversei falam que todo gays só quer mesmo é saber da “putaria”, ou seja, julgam os demais pelo seu próprio comportamento, há hetero que pensa o mesmo. Gente que é infiel sempre vive com medo da retribuição do chifre em sua cabeça.  Ser serio ou não independe da sexualidade, ser depravado ou não também, cada um é um universo único, o universo da sexualidade guarda muitas taras, mas isso serve para todos, gente esnobe, besta, linguaruda, mesquinha, de mau caráter..., existe entre homos e heteros.

Gente seria, assim como gente “esculhambada”, existe em todo e qualquer lugar, nunca podemos julgar o outro a partir do comportamento de uma ou outra pessoa que conhecemos muito menos julgar um grupo a partir de um individuo dele. Cabe a cada um o respeito ao outro, quem quer ser da turma dos “loucos” que seja, e deve ser respeitado assim como quem tem parâmetros mais serenos para viver a vida. A todos o respeito à heteros ou não, somo gente como você, sorrimos, choramos..., vivemos, somos somente humanos!

22 julho 2012

Como você que gosta de pessoas do mesmo sexo como prefere ser identificado?



Você já parou para fazer uma lista de quantos nomes existe cara designar pessoas que gostam de outras do mesmo sexo? Se não vou tentar mostrar algumas: veado, bixa, gay, peroba, boga, pêra, goiaba, maricas, pederasta, queima rosca, sapatão, mulher macho, saboeira, machuda, pingueluda. Bem possível você ter algumas outras para acrescentar nessa lista.

Há quem defenda que tanto faz o uso de qualquer destas palavras, pois todas que fazer referência a pessoas que se relacionam afetivamente com outras do mesmo sexo. Pois é, eu discordo completamente, afinal todas essas palavras e outras, tão ou mais pejorativas que essas, trazem consigo um estigma grandioso, são extremamente pejorativas.


Há quem defenda diga que depende do modo como se fale, pode até ser, tenho vários amigos que brincam uns com os outros usando essas expressões, do mesmo modo que conheço pessoas que brincam com a morte dirigindo depois de beber, que não usam capacete no ao pilotar moto, que tratam com o outro usando palavrões..., ou seja, usam coisas desagradáveis no cotidiano, tais expressões continuam sendo pejorativas.


 Há uma expressão que é muito usada para designar a homoafetividade, gay, que parece ter perdido a força de quando foi inventada, nem por isso ela perdeu o estigma que ela carrega em si. Não sou tolo para não crer que algo não possa se modificar, e com o tempo até mudar completamente seu significado, mas como disse o sentido primeiro ficou impregnado, e se for possível não fazer uso de tais expressões, de minimizar seu valor primeiro ou até mesmo inventar novas palavras para apontar o que é de fato algo se torna melhor e menos agressivo a quem só deveria ser classificado somente como pertencente à raça humana.


termo homoafetividade está sendo usado a um tempo para designa afetividade de uma pessoa por outras de mesmo gênero, sem que isso envolva sexo. Atração, admiração, encantamento por pessoas do mesmo gênero. Em meus textos irei procurar utilizar tal expressão, homoafetividade, a partir de agora, espero que entendam meus motivos.


Todos nós, indígenas, negros, amarelos ou brancos somos humanos, nenhum melhor que o outro, de nenhum dos extremos da terra ao outro, somos todas as mesmas criaturas humanas, e assim deveríamos nos tratar, sem rótulos, sem termos pejorativos estigmatizados, sem ofensa um ao outro.


01 julho 2012

Existe Santo Gay?


Conversava com um colega que se considera liberal, atualizado, consciente, moderno, inteligente, sem preconceitos..., quando uma jovem, com aspecto masculinizado, entrou no papo e começou a falar de como se sentia diante da Bíblia e frente às diferentes igrejas cristãs. Que colega cabeça feita eu tenho, pensei. O cara a acolheu, falou sobre Jesus Cristo e seu amor, o quanto Deus a ama, que não deveria se importar com gente que a afasta de Cristo e seus ensinamentos, da igreja...
Nossa mãe... Como fiquei feliz com tudo que ele falava, o quanto concordava com aquela visão moderna sobre as concepções cristãs, afinal para mim Jesus veio ao mundo não criar uma igreja e passar um monte de conceitos normativos e moralistas, e o quanto a partir desse amor o homem por si só mudaria alguns aspectos da vida, podendo assim ser renovado pelo verdadeiro amor, paz, felicidade, alegria...
O quanto seria tudo tão melhor para o mundo se aquilo que falávamos entrasse no coração humano, finalmente um mundo melhor, o reino dos céus começaria, não que ainda não tenha começado. “Poxa”, vi um sorriso na boca daquela jovem, um novo olhar lhe era mostrado sobre Deus, uma nova “alma” estava “resgatada” para Jesus Cristo.
Mas como ainda não chegamos a contemplar Deus face a face, para vermos a verdade tal ela é, sem visões embaçadas ou deturpadas sobre nosso Criador, a garota então comentou sobre um texto que ela havia lido sobre Paulo apostolo na internet. Nossa..., toda a teoria sobre meu coleguinha caiu por terra, assim como um dia os conceitos de Saulo também caíram por terra sobre os cristãos.
O texto cogitava a possibilidade de Paulo ter sido homo afetivo, o cara “pulou”, quase bate na garota. “Caracas” será que nos consideram tão desprovidos de qualquer capacidade cristã a tal ponto? Por que pessoas como essa colega não admite a possibilidade de pessoas como essa garota, eu e grande parte a humanidade (homoafetivos) possam ser um sinal de santidade no meio da humanidade? Somos desprovidos dos dons cristãos por isso? Por que um homoafetivo não poder ser visto como santo?
Não quero com esse texto afirmar nada sobre Paulo apostolo, não vivi no tempo dele, não tive nada com ele para fazer tal afirmação, para mim ele continuará sendo o mesmo homem admirável e sinal de Deus entre os homens de todos os tempos, alguém que me aponta Jesus Cristo, me aponta o verdadeiro Deus, sujeito a tudo que o circundava no seu tempo. Mas quero sim afirmar que muitos de nós homoafetivos (gays) somos sim sinal do verdadeiro amor de Deus sobre a terra, e nunca devemos nos afastar desse bem por visões homofóbicas, quem prestará as contas por nossa vida junto de Deus um dia será cada um de nós e não quem nos condena.
“Gosto de São Paulo. Gosto de São João. Gosto de São Francisco e São Sebastião, e eu gosto de meninos e meninas..., vai ver que assim mesmo, e vai ser assim pra sempre...” (Renato Russo)

26 abril 2012

Homossexualidade é Opção, Orientação ou Condição Sexual?


Algum tem tempo atrás vendo o programa do Jô ele questionava a expressão risco de vida para quem quer designar alguém que estava em perigo de morrer, dizia Jô Soares: “... se corre é perigo de morte”. Depois desta observação de Jô vejo que os repórteres mudaram suas matérias usando também a expressão perigo de morte. Para mim a mudança foi sensata, afinal quando estamos em situação de perigo não corremos o risco de viver e sim morrer.
Digo isso porque há algumas expressões que não consigo “engolir” uma delas é a palavra opção sexual defendida por grupos militantes em defesa gay, como se de fato tivéssemos escolhido algo. Como escolher ser gay? Como escolher ser apontado na rua? Discriminado por muito, às vezes até por membros de nossa família? Como escolher ser um algo que muitas vezes é vitima de violência na rua? Talvez até ajam pessoas masoquistas que podem fazer escolha por algo destruidor a si. Opção significa. f. 1. Ato, direito ou faculdade de optar. 2. Preferência. 3. Livre escolha.
Outra expressão que não “desce garganta a baixo” é a palavra orientação sexual ao falar sobre homossexualidade. Certa vez um amigo colocou uma venda no rosto de sua mãe e a conduziu até o local de uma festa surpresa, um amigo professor orientou três pessoas carentes no estudo para que tivessem êxito no vestibular, a madrinha de meu amigo o encaminhou na vida para que não tivesse uma vida adulta de desconforto. Isso sim é orientação. Orientação s. f. Ato ou arte de orientar (-se). 2. Direção, guia.
A quem diga que em nível de sexualidade, ser gay, pode ser até mesmo influência, coisa que também discordo inteiramente. Como eu fui influenciado a ser gay se nunca convive com outros gays? Se tivesse alguma influência nesse sentido eu deveria ser hétero, pois meus pais e meus irmãos são todos héteros.  Influencia s. f. 1. Ato ou efeito de influir. 2. Ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre outra. 3. Prestígio, preponderância. 4. Autoridade moral.
Há quem se justifique usando da psicologia para firmar tais conceitos, defino isso como “psicologismo”, pois creio que a homossexualidade seja simplesmente condição humana. Sou gay, não fiz opção por isso, não fui orientado, não fui influenciado por ninguém. Essa é minha natureza, meu ser, minha identidade... Se há pessoas que se satisfazem pela expressão opção, orientação, influência tudo bem, isso é com delas, como Jô, creio que há palavras e expressões que não dizem nada daquilo que se propõe e isso só irá mudar quando usarmos a palavra correta para falarmos o que queremos realmente expressar.
Não sou nenhum gênio, mas é lógico que temos muitos erros de expressões que devemos ter coragem de mudar, e só muda a história quem é capaz de refletir sobre a vida e defender aquilo que nos parece correto. Usar uma palavra que não expressa essencialmente o que ela é não é nada inteligente.

06 abril 2012

Tem Hetero se Sente Melhor que Gay


Não se pode julgar o caráter de alguém pela sexualidade, no entanto se pode fazer analise das diferenças de índole de duas pessoas a partir do que se percebe do comportamento delas. Conheço dois irmãos há muitos anos, eles tem suas semelhanças físicas, no campo da personalidade são completamente diferentes. 

Não sou um profundo conhecedor da personalidade dos dois, mas sem querer ser a palmatória do mundo consigo perceber perfeitamente bem algumas diferenças entre os dois, ambos têm qualidade e defeitos, mas o que me chama atenção entre os dois é que um deles (o heterossexual) se sente melhor que seu irmão gay, porém o cara é malandro, enrolado, mentiroso..., já enganou quase toda a família e até a própria mãe.

Isso não que dizer nada, até porque em todos os meios existem gente desse tipo e até piores, dentro de nossa estrutura política nem se fala. O que me chamou atenção entre eles é que o hetero se julga melhor só pelo fato de gostar do sexo oposto. Tenta humilhar, fala mal, menospreza... O legal de tudo é que é que o gay sabe quem é, diz ele que preferia seu irmão hetero fosse o mais gays de todos os gays, mas não gostaria que ele fosse tão mau caráter.

Sexualidade não determina caráter de ninguém, isso é evidente, mas impressiona que na atualidade alguém se senta melhor que outro devido sua condição sexual. Dentro do conceito de sociedade que concebemos como aceitável está no cumprimento das leis, de respeito ao semelhante e suas diferenças e não com quem se vai ou não para a cama. 

 Quem dera todos os heteros e homos fossem o mais cumpridores da lei e de respeito ao próximo possível, e não querer apontar o outro como pior pelo fato de ser gay. Como disse no inicio do texto o que determina o bom caráter de alguém não é a sexualidade. 


10 março 2012

Todo Gay é Igual ao Outro

Tem gente por pelo mundo a fora que sempre está generalizando, costuma pensar que tudo é tão simétrico, igual, semelhante..., ouço de algumas pessoas, que todos os gays são iguais. Será de fato que isso é verdade?
Certa vez um religioso comentou a uma pessoa que estava perto de mim “praças a noite é para gays e que todo o mundo sabia disso”. Fiquei pensando onde ele aprendeu isso? Será que foi na pratica? Outra pessoa disse que todo gay só busca sexo. Perguntei com que tipo de pessoas ele conhece e se relaciona? Como fala certo sulista que conheço isso é o ó... Essa de enquadrar o outro pelo meu jeito de ser, de um grupo especifico, de comportamento, estereótipos, trejeitos etc não ta com nada.
Há até mesmo gays que costumam pensar que todos ou demais são iguais a eles. Tem uma frese torta que diz: “igual somente um carro com um monte de japoneses dentro”. Errado, cada pessoa é única. Porque uma pessoa é afeminada ou masculinizada não significa que todos serão, o mesmo acontece com pessoas promiscuas, falsas ou verdadeiras, bonita ou feia, masculina ou feminina... Cada um tem sua índole e não se pode considerar o outro igual por está dentro de um grupo. Não posso dizer que todos os esposos traem suas esposas porque conheço meia dúzia de “caras” que traem.
Conheço pessoas amigas, sinceras, honestas, leais..., mas nem todas as pessoas têm as mesmas qualidades. O mesmo pode-se falar da má índole ou do diferente. Todos os gays do mundo não têm o mesmo comportamento, não são iguais.
É injusto querer julgar todos por um. Nem mesmo um lado do corpo humano é igual ao outro, uma mão é exatamente igual outra, um olho igual ao outro..., é só comparar, e estão no mesmo corpo, imagine duas pessoas, com heranças biológicas, sociais, familiares e psicológicas diferentes um do outro!
A grande maioria dois gays que conheço não é fácil ou fútil, evidente que há muita gente assim. Tem gente que precisa acordar, não é justo julgar uma pessoa pela outra. Lógico que cada um de sua forma busca aquilo que todos querem: SER FELIZ, e de cada um têm seu caminho, seus sonhos, alegrias, frustrações...

04 março 2012

Relacionamento com Gays Gordinhos, Efeminados, Deficientes e Fora do Padrão

O mundo é muito diverso, infelizmente, a sociedade cria padrões que acaba por conceituar ou nortear como o mais normal, como o padrão..., e quem está fora desta realidade acaba por ser interpretado como o menos bonito, feio, não aceitável... Isso acontece porque nós estabelecemos padrões ou ainda os meios de comunicação social.
Tente perceber as mulheres mais gordinhas, a grande maioria delas até odeia de ser identificada assim, querem ser magérrimas, os caras mais magros querem ser malhados, os mais baixos querem ser mais altos, alguns se consideram muito altos e gostariam de ser menores, os de nariz mais chatos querem ter um mais afilado..., e assim seguimos a frente com nossos padrões.
Isso acontece em uma sociedade que se conformou a observar o esterno e não valorizar o que está mais interno em cada ser humano. Nesse sentido quem tem o que conceituamos como deficiência física acaba não sendo objeto de desejo da maioria, os mais efeminados são postos de lado, os não malhados são menos observados e paquerados...
Em uma fase de minha vida achei que eu fosse preconceituoso com pessoas brancas, somente os mais morenos me chamavam atenção, com o tempo vi que homens brancos também acabavam me encantando, isso porque deixei de olhar só para a cor e comecei a perceber o que de belo estavam também dentro deles.  Tive um namorado baixinho que minha mãe tirava sarro com a cara dele e para muitos ele era um cara feio, mas a humanidade e companheirismo daquele homem até hoje me encantam.
Já me relacionei com homens brancos, negros, indígenas, magros e isso me fez ver que não sou um cara preconceituoso, mas claro que há pessoas que amo do fundo do coração, mas jamais teria nada com elas, não porque tem algo de mais gordinhos, mais fora do padrão de beleza, efeminado, deficiência física ou qualquer outra coisa, mas é pelo fato não serem pessoas que estão dentro do que defino como meu gosto.
No entanto conheço pessoas que curtem muito meninos mais gordinhos, mais efeminados, baixinhos, mais velhos..., isso é uma questão de gosto. Nem todas as pessoas estão atreladas a conceitos de moda, raça, comportamento..., saiba você que é mais afeminado, gordinho, baixo, velho ate mesmo deficiente etc., que há sempre pessoas pelo mundo que pouco se importam pelo padrão da maioria ou que os meios de comunicação transformaram em belo ou bonito.
Será que você está procurando teus parceiros nos locais certos? Se tiver uma pagina do facebook somente com cara bonitos e malhados você acha que esse é um local correto? Será que você não está descartando pessoas que tem a mesma característica que a tua? Pessoas vaidosas tendem estarem mais próximas a pessoas vaidosas. Jamais você vai conseguir um parceiro de acordo com teus gostos se você só se põe em locais onde eles não estão. Perceba a beleza mais interna do seu parceiro, de suas paqueras, não se ligue a estereótipos, a beleza assim como a vida é efêmera, veja o que é fundamental para você assim terá a oportunidade de encontrar alguém que de fato lhe fará mais feliz.
Ultimo conselho, se há algo em você que não acha legal tenta trabalhar isso para melhorar, se for algo que não é passível a mudança, aprenda a si amar do jeito que é, ninguém é melhor que você, nem tão pouco pior, você não depende de ninguém para ser feliz, pois a felicidade está dentro de você e não no exterior. Só nos amam quando nós nos amamos e quem não nos ama não é digno de nossa presença. A vida só lhe sorrir se você estiver disposto a observar seu sorriso.
" O sol nasce pra todos, só não abe quem quer..." (Reanato Russo)

01 março 2012

Preconceito com Efeminados

Certa vez conversando com um Sr de 90 anos na rodoviária da cidade, passou um rapazinho bem efeminado, desses que não deixam sombra de duvida sobre sua sexualidade, como percebi que ele, o Sr, olhou para o rapaz e eu curioso para entender até que ponto ia a compreensão dele sobre vida gay, perguntei como eles travavam pessoas como aquele jovem na sua época de juventude. Ele me disse que sua juventude não havia coisa daquele tipo, que isso era coisa da modernidade, mas que mesmo assim ele já havia visto muitas coisas na vida e sabia respeitar a decisão do jovem.
Cá entre nós não considero a homossexualidade estar no âmbito da decisão humana, se nasce homossexual ou não se nasce, porém uma coisa me chamou atenção naquele senhor, o fato de saber conviver com o diferente. Recordei esta cena durante um dia de carnaval em uma conhecida banda da cidade, quando um  grupo de soldados olharam para um outro jovem muito efeminado e começaram a rir. Lembrei de que um outro colega havia falado no termino do ensino médio: “Há muita gente que tira sarro com gente deste tipo, mas de repente encontrando-se a sós com gente do tipo rola algo. Claro que vai morrer jurando que não.”
Outra coisa que veio em minha cabeça é que pessoas que são treinadas para defender a população têm tal comportamento. Como sou gay vi muitos outros gays passarem por ali e como nenhum era tão estereotipado como aquele jovem em questão ninguém ria deles. Que fique só entre nós, com a visão de raios-X que a maioria de nós gays tem, entre os soldados também tinham dois que perceptivelmente vi que também são do babado. Que coisa feia, discriminando outros semelhantes a si só por serem mais delicados.
Coisa de gente atrasada, de país atrasado, não, nada disso. Conheço alguns “caras” que “vieram de locais mais avançados” do mundo, e também entre eles há gente que não sabe lhe dar com o diferente. Não penso que isso seja coisa de gente com pouca escolaridade, pois também já vi gente de pouca instrução que convivem perfeitamente bem com outras tidas como diferentes.
Penso que a resposta esteja em algo mais particular, quando vejo algo ou alguém bem diferente do que costumo ver me chama até muita atenção, mas não me fecho a aprendizagem ou ainda vou apontar o dedo, tirar chacota, tirar sarro por ser diferente. Durante minha adolescência usava uns corte de cabelo bem maluco e sempre surgia alguém que olhava para meu corte, alguns brincavam e ficavam rindo da diferença da maioria, esses que zoavam sempre os considerei como gente mesquinha e “pobre” a ponto de não saber absorver o diferente  que não me agride em nada nem a sociedade.
A conclusão que tenho desse tipo de pessoa que trata o outro por ser diferente como algo comigo ou alvo de ironias e bla, bla, bla são simplesmente pobres no que tange ao respeito. Pena que não são como Sr de 90 anos que disse: “já havia visto muitas coisas na vida e sabia respeitar...” 

20 fevereiro 2012

Gays Evangélicos

Há muitos pastores, que se dizem evangélicos, sempre estão travando suas guerrinhas obsessivas e particulares contra a comunidade homossexual. Os motivos dizem eles ser o fato de querer salvar a vida de tais pessoas, porém cada um é que deve decidir se quer ser salvo ou não. Se Deus nos dá a liberdade, porque esses caros impõem a sociedade suas ideologias ultrapassadas? Sua concepção de salvação? Além do mais não creio que o próprio Deus nos condene como esses homens tão efêmeros quanto qualquer outro sobre a terra.
Os caras fazem culuios políticos para barrar material didático sobre gays com justificativas medíocres, impedem ir ao ar propagandas que podem ajudar na diminuição de doença entre gays, tentam impedir direitos de gays casarem etc., isso em defesa de sua concepção religiosa. Que tipo de democracia vivemos que as minorias continuam sendo pisadas e sem direito?
Pior que isso é a hipocrisia absoluta de muitos desses caras, criticam a comunidade gay e irrustidamente fazem parte dela. Não falo isso para querer chocar ninguém, mas para a comunidade gay que freqüenta igrejas evangélicas saberem que entre seus lideres a muita gente que ataca, mas por trás ou “afaga” ou se “deixa afagar” por alguém do mesmo sexo.
Não sou Deus, mas dói profundamente em meu coração quando vejo declarações como essas de jovens gays evangélicos: “sou criado em igreja evangélica, minha família não tem noção da minha pessoa, não tenho traços gays, mas sou louco por sexo com outro cara. Por um período fico quieto, mas às vezes entro em uma fase terrível atrás de sexo em todos os lugares, bato várias punhetas em um dia, acho que realmente é este lance de mente vazia e principalmente o preconceito, a pressão religiosa e social nos fazem assim”, outro ainda continua “verdade meu amigo a de cima, também sou evangélico, e minha família não faz idéia sobre mim... também sofro uma pressão terrível, me adiciona no MSN pra conversarmos mais sobre esse assunto... Adoraria ter contato com uma pessoa que está passando pela mesma situação que eu, envio ai: samuzin@live.com.” Quero ainda dizer que hoje há igrejas evangélicas que respeitam e aceitam gays como membros.
Para terminar digo que já namorei com garotos evangélicos, e que a cabeça da maioria deles era meio que conturbada sobre vida gay e suas igrejas, sei que não é algo fácil de conciliar, mas há muita gente que não se deixa levar pelos exageros, tente ser um desses. Outro, não sou nenhum gostosão, mas já levei cantadas de pastores. No âmbito da sexualidade não se deixe levar por esses “caras”. Viva sua vida de maneira mais justa possível amando teu próximo como a ti mesmo, certamente é isso que Deus espera de você.
Se quiserem façam como o samuzin@, enviem também seus MSNs e esse blog pode se tornar um canal de comunicação entre vocês, mas não usem o endereço que outros evangélicos têm, isso pode lhes complicar a vida.
http://noticias.gospelmais.com.br/jean-wyllys-pastores-evangelicos-tem-as-maos-sujas-de-sangue-2988.html (Deputado gay Jean Wyllys afirma que pastores evangélicos brasileiros têm as mãos sujas de sangue)  
http://gospelgay.blogspot.com/ (Blog voltado para gays evangélicos)

16 fevereiro 2012

Carnaval de intolerância? Carnaval de intolerância?


Na abertura da campanha de prevenção no carnaval elogiamos a iniciativa do Ministério da Saúde em trazer o enfoque este ano para os jovens gays, principalmente, pela necessidade de se pensar em ações para esse público em razão do contexto de vulnerabilidades em que se encontram diariamente. A campanha iria circular em TV aberta pelo país inteiro, um Brasil democrático, País de um Estado laico. Infelizmente a realidade não foi essa. O governo Dilma vetou a exibição dos vídeos.

Diante do recuo da campanha, nos perguntamos qual a prioridade do governo Dilma. É realmente eliminar a transmissão vertical do HIV? Defender os direitos humanos, tão presentes nas suas falas? Qual o seu compromisso com o movimento AIDS e LGBT? Que forças ocultas são essas que fazem o ministro Alexandre Padilha tomar essa drástica atitude? Quem está por trás disso é tão  letal quanto o vírus HIV? Tão forte quanto o estigma, preconceito e homofobia?.

Se dois jovens, do mesmo sexo, trocando caricias em uma  campanha de prevenção a Aids é escândalo para o Brasil a ponto de ser retirada, essas pessoas não assistem ou fingem não  assistir as novelas e os reality show. Escandaloso não seria gastar R$15 milhões em uma campanha e não usar o material produzido? O dinheiro vai ser devolvido aos cofres públicos?

O movimento social se fragilizou, porém ainda precisa cumprir seu papel de controle social que sempre foi importante desde o inicio da epidemia. Ainda, se for preciso novamente terá que sair as ruas antes que seja tarde demais para não se ter os direitos historicamente consquistados longe do seu alcance.

É incoerente estarmos discutindo a criação de um plano nacional de enfrentamento da epidemia de Aids para a juventude diante de uma política fragilizada. Por isso, esperamos que neste carnaval o movimento social possa colocar o bloco na rua e questionar por quê o governo brasileiro, que historicamente enfrenta, com sucesso, a epidemia de Aids através da promoção de direitos, esteja praticando e reforçando exatamente aquilo que sempre combateu: a homofobia.
Crie seu site grátis:

13 fevereiro 2012

Olhando o Bilau do Outro no Banheiro Coletivo.

Certa vez entrei em um banheiro de um supermercado de uma rede francesa e me assustei com a quantidade de caras que fitaram meu pênis, não que ele seja algo que chame tanta atenção, afinal não sou um cara que definem como super dotado. Aquela ação de quatro jovens me chamou atenção a ponto de eu ir a gerencia do supermercado e reclamar por não ter um local reservado, a gerente me disse que antes havia, mas que tinham sido retiradas por que muitos praticavam sexo ali. Questionei terem tomado tal decisão ao invés de terem outra atitude, imagina se quisesse fazer o número dois. Tempos depois nesse supermercado fecharam o banheiro completamente e quem perdeu foi os clientes.
Talvez alguns devam me chamar de moralista por isso, de envergonhado, mentiroso ou qualquer outra coisa, isso não foi a primeira vez que me aconteceu.  Já vi o mesmo acontecer em bares, boites, aeroportos e em outros locais. Esse tipo de comportamento não algo exclusivo de ambientes gays e comportamento particular de homossexuais, há muitos heterossexuais que não resistem a uma olhadela para o pinto alheio. Acredito não serem os mesmo motivos.
A diferença entre heterossexuais e homossexuais nesses casos é que um dá uma olhada e logo tira o olho e se concentra no seu próprio pinto, e infelizmente no caso de muitos gays os “caras” parecem ficar encantados pela serpente do outro, encaram o outro como se estivessem o convidando para uma rapidinha ou um boquete. Há quem goste desse tipo de comportamento, mas muitos outros se incomodam, além do mais nunca se sabe do que outro é capaz. Imagine encontrar uma pessoa homofóbica em locais como os descritos.
Continuando com a saga da olhada, tem quem fica olhando discretamente pelo canto do olho, outros pelo reflexo do espelho e outros usam todos os métodos. Já vi gente levando tabefe por esse tipo de comportamento, já ouvi gente dizer ter nojo e vontade de matar pessoas que não respeita o outro ao lado. Vi até mesmo gente entrar em fria pelo fato de telefonar para números que estão anotados, “pixados” em banheiros.
Hoje procuro banheiros reservados por causa desse tipo de gente, por mais que eu respeite e tente entender, isso não me agrada e incomoda profundamente. Fica aqui o toque; pense bem em suas ações, pois elas podem lhe constranger. Em uma breve pesquisa no facebook percebi respostas diversas sobre o assunto, e lá há somente pessoas que tendem conviver com as diferenças, mesmo assim teve gente que disse ter vontade de espancar quem é adepto a olhadela no peru do outro.

08 fevereiro 2012

Respeito entre Gays

Creio que todo brasileiro sabe o que é um arranca rabo, pois é, estávamos eu e um amigo tomando um bom chop em umas das noites quentes e cheias de estrelas da cidade de Manaus, foi quando então apareceu um amigo dele que até então eu não conhecia. Muito bem articulado, mostrava ter uma boa visão da vida, da sociedade..., Foi então quando meu amigo colocou o assunto de umas das postagens que havia feito há tempos atrás em meu blog, seu amigo logo protestou e tentou causar um desconforto entre nós, dizia que já havia lido tal texto, que discordava completamente do que eu escrevi e blá, blá, blá...
O texto em questão fala sobre sexo em locais públicos (http://herycon.blogspot.com/2011/02/gays-e-sexo-em-locais-publicos.html), como minha mãe me ensinou que dois brigam somente quando ambos querem, deixei o cara dá o show dele, com seu chilique. Fiquei calado e o cara se irritou, em seguida perguntei a ele o que gostaria de ouvir de minha boca para encerrar aquele tipo de comportamento, foi quando, creio eu que se tocou da cena patética que estava cometendo, respirou fundo e procurou manter um nível mais civilizado. Não quero com esse papo mostrar que sou uma pessoa super equilibrada e que nunca perco a linha, pois também como qualquer ser humano há horas que não engulo algumas atitudes e logo coloco os pingos nos is.
Não tenho nada contra de quem acha que sexo é para sair fazendo com quem quiser ou onde quiser, desde que não constranja a terceiros ou exponha ao risco inocentes, como também acredito que dificilmente quem vive por aí atrás sexo e o pratica em qualquer lugar obcecadamente, dificilmente vai conseguir manter-se longe de alguma DST e o mesmo vai acontecer com quem se envolve com pessoas assim. É algo evidente que quem se expõe mais ao perigo, mais está sujeito a se meter em confusão.
Cada um deve ter o direito de expor seu pensamento e ser respeitado, posso não concordar com o pensamento do outro, mas o respeito deve haver. Se fossemos querer entrar em atrito com o outro pelas diferenças que temos onde vamos parar? Minhas idéias eu defendo quem tiver a suas que o faça, mas com respeito a quem o cerca. Quero deixa claro ainda que essas taras não sejam só de alguns gays, mas de heteros também, afirmo que todos devem procurar se prevenir e usar preservativos ou ainda assumir as conseqüências do que pode vir pela frente.
Conheço pessoas que propositalmente transmitiu alguma DST para outros, até que me provem o contrário vou sempre acreditar que quem busca sexo de qualquer forma e em qualquer lugar sempre está mais exposto a procurar socorro medico para cuidar de sua saúde. Continuo também crendo que quem entra em um banheiro publico e fica olhando para teu pênis e te encarando deveria ter um pouco de vergonha na cara e procurar pessoas semelhantes a ele, que pense do mesmo modo. Respeito é bom é todo mundo gosta e quer.

31 janeiro 2012

Sou Gay e Minha Mãe Não me Aceita

Segundo a ciência existe uma substância (creio que oxitocina) que faz com que as mães amem profundamente suas crias, seus filhos a ponto de levantar ou se por frente a um veículo em movimento para salvá-los, jogar-se em um rio sem saber nadar, enfrentar marginais armados...
Costumamos julgar a natureza como perfeita, mas será que é mesmo? Ou será qeu ela tem caminhos tortos para um determinado fim? Faço-me essa pergunta por me parecer que algumas mães são incapazes de amar tão profundamente assim suas crias, ou não produzem tal substancia. Digo isso porque há mulheres que parecem detestar seus filhos ao assumirem sua natureza homossexual.
Ao mesmo passo que vejo a incapacidade de algumas mães amar, fico me perguntando por que há filhos que ficam nessa expectativa monstruosa de ser aceito por sua genitora? Será que dependemos tanto assim do sentimento de alguém para ser feliz? Será que não devemos seguir nossos caminhos, independente do que outros sintam em relação a nosso jeito de ser, mesmo que esse outro alguém seja meu pai, minha mãe, meus irmãos?...
Não sei como seria, mas creio que não deixaria de amar minha mãe por nada nesse mundo, mas ao mesmo passo não viveria me lamentando porque ela mostra não me amar por minha sexualidade. Com todo respeito, amo minha mãe mais se esse sentimento não for recíproco vou seguir meu caminho, erguer minha cabeça e procuraria o caminho de minha felicidade. Creio que minha felicidade dependa mais de mim que da aceitação de quem quer que seja.
Não quero ser reducionista com este texto apontando somente para o aspecto da homossexualidade, visto que isso acontece também com filhos heteros, porém o blog é voltado a comunidade gay, dando algum tipo de alento a esse grupo de um ponto de vista empírico.
Se isso acontecesse comigo, deixaria a vida seguir seu rumo e se algum dia fosse preciso eu mostrar meu amor, diante de alguma circunstância da vida, não agiria como aquela, que em tese, deveria ter me amado incondicionalmente.