24 novembro 2011

Dia Mundia de Luta Contra a Aids

Nesta segunda-feira 21 de Novembro de 2011 a foi iniciada em Manaus a campanha de combate à AIDS, celebrado no dia 1º de Dezembro. O início deu-se com uma blitz, na esquina das avenidas Sete de Setembro e Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus.

Até este mês 800 novos casos foram detectados em Manaus, de 2007 até o mês mencionado há um acumulo de mais de 2.476 casos, esses números dizem respeito a pessoas que iniciaram o tratamento com medicamentos para diminuir o número de vírus e melhorar a defesa do organismo, o número das pessoas que vivem com o HIV e ainda não tomam medicamentos não entram nesses números.

Segundo a ONU 34 milhões de pessoas no mundo estão vivendo hoje com o vírus da AIDS, o HIV. Esse novo recorde, divulgado nesta segunda-feira (21/11) no relatório anual do Unaids, o programa das Nações Unidas dedicado ao combate à AIDS, deve-se a um melhor acesso a medicamentos. Em 2010 apenas 1,8 milhões de pessoas morreram vítimas da doença, enquanto em 2006 os óbitos em decorrência da infecção foram contabilizados em 2,2 milhões.
Jovens  gays serão alvo de campanha contra HIV, diz Alexandre Padilha, ministro da saúde, pois é o grupo onde mais  pessoas são infectadas.

Segundo o Ministério da Saúde 98% das pessoas sabem que preservativos previnem de doenças. Isso leva a uma reflexão não somente para aos jovens gays, mas a toda sociedade: Por que ainda há pessoas que transam sem preservativo? Será que as pessoas têm um desejo natural de correr riscos? Será que são “suicidas’? Será que sexo sem camisinha é realmente melhor? Será que é algo intrínseco, inato, natural ao desejo a pratica sexual sem camisinha?

Em um mundo com tanta informação sobre doenças sexualmente transmissíveis (HIV/AIDS Hepatites), parece loucura manter relações sem camisinha. Resta saber que a camisinha ainda é a melhor maneira de não adquirir uma DST, a menos que se viva a castidade ou ainda as pessoas sejam completamente fieis a seus parceiros (as). Cada um deve decidir como melhor se prevenir.

Dia 27 de Novembro, que antecede o dia 1º de Dezembro, domingo, às 08:00H na Capela da Sagrada Família no Studio 5 a Pastoral celebra junto ao povo católico o dia Mundial de Luta contra AIDS, a celebração será presidida por Dom Mário Antonio da Silva (bispo auxiliar de Manaus). No dia 1º de dezembro, as instituições que estão à frente da campanha junto com a SEMSA e SUSAM realizarão outra grande blitz educativa, com equipes concentradas na esquina das avenidas Pedro Teixeira com Constantino Nery, zona Centro-Oeste; entrada do Shopping Grande Circular, na zona Leste; entrada do conjunto Manoa e Avenida Noel Nutels (em frente ao PAC), ambos na zona Norte; e, novamente, na esquina das avenidas Sete de Setembro com Eduardo Ribeiro

14 novembro 2011

Ex-Gay Existe?


Não sei...  Não sou Deus para afirmar se existe ou não existe alguém que seja um ex-gay.  Tenho um amigo que afirma que conhece ex-prostituta, ex-ladrão, ex-namorado tem um monte..., mas ex-gay não, nem ex-dependente químico. Como disse anteriormente não posso afirmar que não exista, mas para mim é difícil de acreditar que existam ex-gays.
Pode ser que alguém por uma vez ou por algum tempo tenha relações sexuais com pessoas do mesmo sexo e depois deixe isso de lado. Acredito que alguém se desiluda com alguém de seu sexo e se feche a tais relações. Que alguém, “force” a barra e pegue alguém do sexo aposto. Que tenha se equivocado com seus sentimentos, mas que de uma hora para outra mudou de casaca e deixou de ser gay, não creio.
A homossexualidade refere-se ao atributo, característica ou qualidade de um ser, humano ou não, que sente atração física, estética e/ou emocional por outro ser do mesmo sexo. Ou seja, quem não é capaz de ter tais sentimentos por pessoas do sexo oposto é gay, e não creio que isso mude.
Há quem acredite que um pastor, a partir de um exorcismo, pode modificar sua vida, há quem creia que tentar ignorar o sentimento por alguém do mesmo sexo vá transformá-lo em heterossexual. De meu ponto de vista não, conheço alguns que se negam e dão seus pulinhos as escondidas ou ainda vivem como zumbis, meio distantes, entristecidos...
Ser feliz passa por encara-se do modo como é, com qualidades e defeitos, sentimentos... Passa por não se castrar por conceitos sociais moralistas e normativos. O ser humano não deve se enquadrar em uma concepção moral ou religiosa somente porque alguns moralistas, normatizador, encaram a sexualidade humana somente com a perspectiva da heterossexualidade, fechando assim a sexualidade humana ao que lhe parece óbvio. Mas o óbvio nem sempre é verdadeiro, é a ultima palavra na definição de lago no comportamento humano, tanto que há tanto malucos pelo mundo que julgamos completamente normais e, no entanto podem até serem grandes monstros assassinos.
Não podemos deixar nossa felicidade para nos enquadramos dentro de conceito de terceiros, só porque para eles isso é antinatural e imoral. A felicidade pessoal depende do encarar-se e amar-se do jeito que é amando quem de fato o faz feliz. Lembro que desde a década de 70 a homossexualidade não é considerada uma anomalia humana, ela não é uma escolha, é algo que de fato faz parte da vida de milhares de seres humanos pelo mundo a fora, ser gay é tão normal quanto ser hetero. Ser feliz depende de você!

10 novembro 2011

Adoro Sexo No Coro - Sem Preservativo

Sem moralismo, quem nunca transou sem preservativo? Por que ainda há pessoas que transam sem preservativo? Segundo o ministério da saúde 98% das pessoas sabem que preservativos previnem de doenças. Será que as pessoas têm um desejo natural de correr riscos? Será que são suicidas? Será que sexo sem camisinha é realmente melhor? Será que é algo intrínseco, inato, natural ao desejo a pratica sexual sem camisinha?
Em um mundo com hepatites e HIV pensar em sexo no contato pele com pele é absurdo. Mesmo que as pessoas se conheçam há muito tempo e estejam em dia com seus exames, no sexo anal sempre se terá contato com muitas bactérias próprias daquele local, há quem se desculpe nesse caso dizendo que faz a famosa chuca, isso também se for feito com frequência destrói a flora intestinal, ou seja, o risco de uma DTS mais comprometimento da flora.
Não serei hipócrita de afirmar que nunca mantive uma relação sem camisinha, mas também quero dizer que já fui obrigado a fazer o tratamento para uma DST por consequência disso, que sexo sem preservativo tem as diferenças em relação com, mas essas diferenças não assim tão grandiosas.  Outra que hoje em dia existe as camisinhas extrafinas, que devem ser usadas com um bom lubrificante a base de água, e causam a mesma sensação que não estivesse usando.
Saúde é bom e todo mundo gosta, não caia na armadilha do eu confio em você, fiz meu ultimo exame há pouco tempo e estou limpo, confia em mim que eu confio em você, prova que me ama fazendo sem camisinha, vou meter só a cabeçinha, vou gozar fora, o que transmite as DSTs é a gala... Principalmente quando você encontrar alguém aí pela rua sedenta de sexo, você não é Deus ou adivinho para saber o que o outro tem, mesmo que tenha uma ótima aparência física.
Sexo no coro com coro pode ser muito gostoso, mas isso não melhor que ter sua saúde integral, que ter que tomar medicamentos por um curto período de tempo ou pelo resto da vida.
Cuide-se, quem de fato se ama, se cuida! Dia 1 de Dezembro é do Dia mundial de luta contra a AIDS, estou tentando fazer minha parte, faça a sua! Divulgue o site a baixo se poder e quiser, colabore para um mundo melhor para todos!

04 novembro 2011

Vídeos que Desmitificam a Homossexualidade.

Somos o que somos, nem melhores ou piores que ninguém, invés de chorar pelos cantos achando que é a pior pessoa do mundo, que Deus te odeia, é pecado por ser gay, devemos nos amar e dar seguimento a vida, afinal ninguém que te condena vai ser feliz por você. Seja sempre só um ótimo exemplo de pessoa humana e vida sua vida da forma mais ética que puder. Mostre que nós gays estamos aqui como qualquer outro só para ser feliz e amar!
 
Padre anglicano afirma a natureza da homossexualidade



"Ser gay é errado..." - por quê? 



Ser Bissexual/Homossexual é tão normal quanto ser Heterossexual!!!


Devemos Banir:
Homofobia na Escola 




01 novembro 2011

Sou Tarado em Sexo

No geral quando alguém gosta muito de sexo, logo outros chegam à conclusão que tal pessoa é vulgar, não possui caráter, responsabilidade, não tem inteligência, é tarada, sem pudor... Devemos fazer uma separação bem clara de promiscuidade (Qualidade de promíscuo. 2. Mistura desordenada; confusão) de gostar de sexo, ter muitas relações.
Gostar muito de sexo, só passa a ser prejudicial quando é praticado com irresponsabilidade a ponto de prejudicar ou magoar a si ou outro. O promiscuo tem liberdade para ser do jeito que deseja, mas também deve jogar limpo com quem transa e se cuidar, claro.
Não encaro de maneira alguma, uma pessoa com mais ou menos caráter que a outra por gostar ou não de sexo. No entanto, dizem, que tudo em excesso prejudica, sexo é muito bom, mas não creio que deva visto com a maior prioridade na vida de quem quer que seja, afinal, há tantas outras coisas que dão prazer na vida, mas se alguém o priorizar deve assumir todas as possíveis consequências de sua pratica.
A mente humana é tão maluca que há pessoas que tem vários parceiros e se acha feliz por ser assim, fazer o que em tais casos? Conheço alguém que é capaz de transar com três, quatro ou cinco parceiros na noite e para ele ta tudo bem, outros consideram isso como vulgaridade, eu, em particular, só não queria ser igual, pois esse ser, em particular, me mostra um vazio tão grande em suas ações.
Questiono se esse amor pela pratica sexual não provem de uma carência interna extrema e se de fato essa pessoa é feliz por sentir no sexo uma satisfação tão grande.
Para mim sexo vai além do ato sexual, é algo lindo entre duas pessoas, é entrega, é desejo, paixão..., não acho legal banalizar o sexo, fazer por fazer, mas esse é meu ponto de vista, e se deve respeitar quem pensa diferente, mas nunca deixar de se prevenir em qualquer relação que seja, pois quando se pega qualquer um pela rua não se sabe de sua vida sexual nem se trás em si alguma doença.

17 outubro 2011

Afim Sexo de Cam?

Considero o sexo na cam como Voyeurismo (prática que consiste num indivíduo conseguir obter prazer sexual através da observação de outras pessoas. Essas pessoas podem estar envolvidas em atos sexuais, nuas, em roupa interior, ou com qualquer vestuário que seja apelativo para o indivíduo em questão) dos tempos modernos.
Creio que seja uma maneira de ter sexo rápido (sem sair de casa) e seguro (sem se sujeitar a agressões nas ruas ou doenças). Não tenho nada com contra essa pratica, ela é até bem segura se formos considerar suas vantagens. Em particular não vejo nisso algo muito excitante, estimulador, preferiria o bom filme de sexo.
Fico me perguntando se as pessoas que partem para esse tipo de pratica se não estão nessa para fugir da realidade, se de fato se satisfazem, se não tem medo de partir pro mundo real... É evidente que muitos casais, de namorados ou não também usam este tipo de mecanismo para matar as saudades de seus parceiros (as), creio que isso os ajudou muito.
Para quem gosta da “parada” a sites especializados com pessoas que estão dispostas a um sexo gostoso virtualmente, chats, MSN, Skype, e salas de bate-papo também podem ajudar.  Acho legal quando as pessoas falam logo sobre suas intenções para não surpreender nu o que está na frente da outra webcam. Sem falso moralismo cada um deve fazer o que queira desde que não desrespeite o outro.
Bom também ter cuidado para não agredir seus parceiros (as) com o uso da cam, bem como, ter cuidado como programas que copiam e transmitem imagens ou vídeos que possam vir prejudicá-lo ou expor-lo ao ridículo, de pedofelos..., afinal você não conhecer a índole, o caráter de quem está do outro lado. Já pensou você cair na net com o que não gostaria de mostrar.
Bom uso da webcam.

11 outubro 2011

Casado Procura Sexo com Homem

Dizer o que do tema desta postagem? Há coisa que não consigo aceitar, talvez, tentar respeitar. Como encarar um cara que tem sua esposa e busca sexo com outros homens? Creio que seja perfeitamente aceitável desde que sua mulher saiba de suas aventuras sexuais, consigo aceitar também quando o camarada é bissexual e vive alternando relações com sexo e outro, claro que mediante prevenção e sem casar enganar sua parceira.
Creio que homens deste tipo, casados que buscam sexo com outros homens, nunca serão felizes, ou ainda que nunca conseguissem ter coragem para assumir o que realmente são o que lhes faz feliz. Há entre eles os que fazem de tudo para suas esposas e filhos viajarem para levar para dentro de suas casas outros parceiros. Verdadeiros caras-de-pau, sem personalidade, medrosos é essa definição que tenho sobre eles.
Teve um episódio de uma mine serie da TV Globo, “As Cariocas”, que julguei muito bacana, de uma forma meio engraçada um casal acabou sabendo que estava envolvido em uma triangulo amoroso entre dois homens e uma mulher, perfeito que foram o suficientemente capazes de se encarar e levar a frente aquela relação a três sem falsos moralismos ou hipocrisia. Sei que na vida real isso é mais difícil de acontecer, porém ficar enganado alguém não é algo aceitável.
Por volta de 2004 conheci um cara muito “dez”, não era lindo, mas atencioso beijava muito bem, limpinho e cheiroso, ótimo de cama, descolado..., mas tinha um grande problema, só podia me encontrar pela parte do dia, estranhei, mas como afirmava que trabalhava e estudava muito conclui que era por isso.
Em uma noite de quinta-feira recebo um telefonema dele falando que estava com saudades, que legal, que papo gostoso, no melhor da conversa, eu ouvi através da ligação ao fundo o grito de uma criança, meu filho caiu diz o cara meio como reflexo. Simplesmente fiquei bobo com aquilo.
Dias depois ele foi até minha casa e lá revelou toda sua vida, ele era casado, evangélico, pai de um lindo bebe... , depois daquele momento ainda teve a cara de pau de perguntar se tudo continuaria do mesmo jeito entre nós. Claro que não, foi minha resposta. Imagina está em uma relação com alguém que você a terá somente por instantes, ou sobras, pela metade, ainda mais enganando alguém inocente.
Minha resposta foi: Velho fica com tua mulher, você é mais importante para ela agora que tem uma criança em jogo, mas assim que der toma vergonha na cara e assume que você gosta de macho...
Na vida não precisamos assumir para o mundo do que gostamos, nem para mãe, pai, irmãos, parentes..., mas temos que ter hombridade e caráter de não enganar alguém desta forma, afinal você não gostaria de ser tratado do mesmo modo.

04 outubro 2011

A homossexualidade na História - Da Antiguidade ao século XIX

Deste o princípio, a prática do homo-erotismo está presente na sociedade humana. Há registros desse comportamento sexual entre povos selvagens, na natureza e entre os animais. Neste trabalho de pesquisa está relatado como a ótica da moral de cada sociedade, das ciências e das filosofias, encarou esse fenômeno da natureza.

Egito (Séc V a.C.
Existiu na cidade de Tebas (que por mais de 2000 anos foi a maior e mais próspera cidade, considerada sagrada, do Egito) um exército de homossexuais. O grupo militar era formado por mais de 150 casais de amantes. No Egito, quando um jovem se alistava, o seu equipamento era dado por seu parceiro. Através de inúmeras e espetaculares lendas, o Sagrado Exército de Tebas, como era chamado, foi transformado em lenda, mantendo-se invicto por mais de 40 anos, perdendo apenas para Felipe, rei da Macedônia, pai de Alexandre o Grande. Alexandre posteriormente destruiu a cidade. Entre os registros egípcios existe um conto sobre duas divindades que vêm para a terra e fazem sexo com dois homens. Os nobres possuíam escravas e escravos para a prática sexual, além dos jovens pajens.

Grécia (séc. III a.C.)
O berço da filosofia, terra que nos fez herdar belezas arquitetônicas, foi o celeiro de muitas de nossas ciências e da democracia. Exemplos de homossexualidade na Grécia não são limitados aos mortais, na ficção está a maior demonstração da abertura do pensamento grego sobre o tema

Na mitologia
A mitologia grega está recheada de deuses, semi-deus e seres bissexuais ou homossexuais. O casal mais famoso de todos é formado por Zeus e Ganimedes. Hércules, famoso por suas habilidades e força, também amava a Filoctes, Nestor, Adônis, Jasão e outros, mas o seu amor era notório pelo sobrinho Iolau. Apolo, deus da beleza e da eterna juventude, além de seus incontáveis amores femininos, possuiu inumeráveis homens. O rapto de jovens era comum, aconteceu com Himeneu, Ciparisso, Carnus, Hipólito, entre outros. Já o Deus do vinho, Dionísio, gostava de festas e banquetes.

Cultura
A educação dos meninos atenienses se dava através de laços de amizade e pratica homossexual com seus mentores. Um cidadão que não exercesse a adoção de jovens, e se encarregassem de sua educação, era acusado de omissão em seus deveres como cidadão. Era uma obrigação social tão importante quanto pagar impostos. Os meninos após os 12 anos de idade, nunca abaixo dessa idade, procuravam um adulto para sua educação. Com a aprovação da família e do garoto, este praticava sexo homossexual passivo até completar seus 18 anos de idade com o mentor que lhe ensinava tudo o que sabia sobre a vida. A partir de então, tornava-se ativo e deveria ser mentor de outro jovem, para posteriormente casar-se, próximo a completar 25 anos de idade. Obviamente, muitos continuavam com a prática homo. Homens para o prazer, mulheres para a procriação, dizia a regra social da época.
De fato não há registro de que a homossexualidade tenha sido amplamente aceita na Grécia antiga, muito menos que tenha sido encarada como um problema, como acontece nos dias de hoje. A bissexualidade era vista como prova de virilidade e o sexo homossexual apenas como sexo carnal, troca de energias.

Olimpíadas
Os jogos olímpicos da antiguidade eram exclusivos para homens. Neles, os atletas competiam pelados e ao final de cada dia havia uma grande comemoração. Não existia a competição, ganhadores ou perdedores, era uma celebração saudável ao corpo e mente humana.

Platão, Sócrates e Safos foram os homossexuais mais famosos deste período, suas idéias, resgatadas na Renascença, foram determinantes para o fim da era das trevas.

Roma
Nenhum outro império foi tão poderoso, extenso e glorioso quanto o romano. Dos últimos 15 imperadores, apenas um (Cláudio) não deixou referências quanto a sua homo ou bissexualidade. Julio César, Tibério, Calígula, Nero, Adriano, Heliogábalo, Galba, Caracala, entre outros, foram adeptos do amor proibido. A luxúria, acompanhada da ostentação e riqueza, era grande. Nos palácios ocorriam verdadeiras orgias. Vestir-se de mulher era uma brincadeira comum, como acontece em nosso Carnaval. Até Constantino (312 D.C), a homossexualidade não seria encarada como um problema por nenhuma sociedade. Embora algumas religiões citem o episódio de Sodoma e o Velho Testamento, tradutores garantem que houve um erro de tradução, no primeiro caso, e uma grotesca alteração, no caso do segundo, durante a Idade Média.

Idade das trevas – Idade Média
Durante a Idade Média o mundo mergulhou na ignorância. A vontade de Deus era o argumento para todas as ações, inclusive em situações cruéis. A ascensão do Cristianismo em Roma reverteu os valores da época, caçou hereges e perseguiu os diferentes. O papa passou a ter um poder divino sobre a terra, dividindo com os imperadores o governo das nações, influenciando como nunca o futuro da humanidade. O conhecimento ficou restrito aos nobres e aos clérigos. Através do saber manipulou-se os interesses dos homens, a escravidão religiosa gerou uma igreja próspera e de violência generalizada.
A religião de Roma prosseguiu. Diversos são os relatos de ontem e de hoje sobre casos de homossexualidade dentro das religiões. Papas homossexuais fizeram parte da história da Igreja. Como João XXII, que chegou a ser expulso e trazido de volta, por causa das suas orgias bissexuais. Tendo sido assassinado a pauladas, em 964, aos 24 anos, por um esposo traído que o pegou em flagrante.
Em 1123, foi declarada a nulidade de casamentos de padres. Mulheres, animais fêmeas, adolescentes belos e até instrumentos musicais foram proibidos nos mosteiros, a fim de diminuir a tentação aos religiosos. Cantos que misturavam tons muito agudos foram retirados com o pretexto de serem homoeróticos. A pureza da alma agora dependia do sexo e do desejo.

Inquisição
O papa Gregório instituiu o direito ao Tribunal do Santo Ofício, em 1231, e ordenou o combate às mazelas difundidas em toda a Europa. Somente em Estrasburgo, na época território alemão, foram queimados mais de 80 homens, mulheres e crianças, somente no primeiro ano da inquisição. A prática de extorsões, crimes políticos e de tortura também foi observada. Os homossexuais foram tão perseguidos que, somente no Brasil, já no século XVII, foram registradas 4.419 denúncias de sodomia, dos quais, 30 foram enviados à Metrópole e condenados à fogueira. Muitos fidalgos portugueses fugiam para a colônia em busca de sossego da Inquisição.
A sodomia era considerada a pior das heresias. Para homossexuais, a idade justificava a pena. Após confissões obtidas na base da tortura, o indivíduo abaixo de 15 anos era recluso por 3 meses. Acima dessa idade, deveria ir preso e posteriormente pagar multa. Os adultos deveriam pagar multas, caso contrário tinham suas genitálias amarradas e deveriam andar nus pela cidade, serem açoitados e depois expulsos. Caso fossem maiores de 33 anos, o acusado seria julgado, sem direito a defesa e, caso condenado, morto em fogueira e seus bens confiscados. Apesar de todo os esforços, nesse mesmo período existem relatos de pelo menos dois papas homossexuais: Paulo II e Alexandre VI.

Renascença
O retorno das idéias gregas e romanas. Dois fatores foram cruciais para o sucesso desta virada de página na humanidade. O fortalecimento da burguesia, através do comércio e artesanato, e o segundo, sem dúvida, a invenção da prensa gráfica móvel em 1456 pelo alemão Gutemberg. Com isso, a escrita passou a ser popularizada. Os livros produzidos pelos monges escribas e dominantes da escrita não eram acessíveis à maioria da população. Embora o primeiro livro publicado tenha sido a Bíblia, em menos de 10 anos o volume de obras ultrapassou o que os monges conseguiram fazer a mão em quinze séculos. Infelizmente, na Idade Média, muitas obras acusadas de heresia foram perdidas para sempre. Porém, fragmentos da antiguidade e novos títulos sugiram e impulsionaram o pensamento humano.
Com defensores públicos do amor entre iguais, a homossexualidade foi tornando-se causa de penas leves e raras execuções. Os mestres Leonardo da Vinci, Botticelli, Michelangelo eram homossexuais. Novos ares de liberdade inebriavam a história, mas os homossexuais ainda seriam atacados pelos protestantes, que apesar de defenderem a educação de seu povo passaram a ver os homossexuais e as prostitutas como escória social na terra e no reino divino, voltando para estes grupos os julgamentos e execuções.

O Oriente
Em 1541, Francisco Xavier foi o primeiro missionário a chegar no Japão e à China. Chegando nesses países e visitando um grande monastério Zen, presenciarou a falta de pudor destes povos ao “copularem contra a natureza”. Mais tarde, os jesuítas relataram que a sodomia também era comum entre os samurais. Na China, outro missionário relatou que a existência de um grande número de prostitutas e sodomia generalizada. A visão ocidental passou a interferir na tradição milenar do oriente, apenas no século XIX, com o aprimoramento da comunicação, e invasão de territórios orientais por europeus.

As Américas pré-colombianas - Antes da chegada do europeu neste continente.
Em toda a América do Norte foi observada a prática de sodomia entre as tribos nativas. O travestismo era comum em tribos como os Sioux. Ao povo asteca existia até um deus patrono da homossexualidade e da prostituição, xochipili. Práticas rituais com sexo entre homens também foram relatadas. Prisioneiros e escravos mais uma vez eram vítimas de estupros.
Na América do Sul
Em tribos de caçadores, os homens que não gostassem de desempenhar o papel social de seu gênero poderia juntar-se às mulheres nos afazeres da agricultura e cuidados domésticos. Para participar do grupo feminino deveria deixar os cabelos alongados e ser passivo no sexo. Os conquistadores europeus caçavam os nativos travestidos, conforme ensinado em sua terra natal. O termo bugre, sinônimo de índios, vem do termo francês bougre que significa herege, sodomita.

No Brasil
O sexo homossexual sempre fora praticado entre os índios. Em algumas tribos, essa era a forma de curandeiros passarem seus conhecimentos. Rituais de iniciação fazem parte da tradição do índio entrando na puberdade, em muitas comunidades inclui-se a iniciação sexual. O baito, tenda dos homens, foi presenciada no Séc. XIX pelo naturista alemão Karl Von den Steiner. A falta de mulheres disponíveis na tribo também era resolvida de forma prática.

Brasil Colônia
Em 1584 aconteceu a primeira visita do Santo Ofício da Inquisição no Brasil. A Bahia foi o local desta inspeção motivada pela observação das pessoas que retornavam a Portugal, que possuíam hábitos de libertinagem.
 Durante a escravidão, a homossexualidade foi naturalmente praticada pelos negros, uma vez que a prática ainda não havia sido coibida em seu continente. Tanto os homens quanto as mulheres eram vítimas de estupro por parte dos capatazes e senhores de engenho. Alguns historiadores afirmam que Zumbi dos Palmares, o herói negro brasileiro, também era homossexual.

Iluminismo (Séc. XVIII)
A idade do ouro. O século das luzes tomou conta Europa e posteriormente do mundo. As idéias de racionalismo, da ciência, de um homem que se tornava cada vez mais humano. Com isso, a Ciência tomou conta de caracterizar a homossexualidade como doença. Na verdade, foi descrita entre doença e etnia, como se através das características de comportamento do indivíduo ele fizesse parte de um grupo étnico. O mundo ainda era extremamente machista e fundamentalista. Tudo precisava ter uma explicação. Os anos de ignorância geraram fome de conhecimento. A partir daí para a invenção da luz elétrica, mecanismos movidos a vapor. A revolução francesa marca o fim do feudalismo e representa a luta por melhores condições de vida, de trabalho: liberdade, igualdade e fraternidade. Para o homossexual (sobretudo àqueles sem contatos políticos) existiam agora três pesos: o Estado, a Igreja e o povo. Diversas experiências de cura de homossexuais foram empregadas, obviamente, sem sucesso.




02 outubro 2011

Os santos gays na Igreja Católica

Hoje em dia é muito comum que as principais religiões monoteístas do mundo façam uso de seus “livros sagrados” para lançar condenações contra os homossexuais, e vociferar maldiçoes e pragas de modo insidioso, dizendo que a pratica sexual entre os gays é uma “abominação aos olhos do Senhor” (Levítico 18:22).
E todos os dias, padres e pastores pregam em seus púlpitos e altares, sermoes contra o homossexualismo, instilando o vírus do preconceito e ódio em seus fieis, fazendo dele um meme (Dawkins, lembra ?) que se perpetua, fazendo com que essa corrente de intolerância seja difícil de ser quebrada.
Mas não foi sempre assim.
Ha alguns séculos atras, as coisas eram bem diferentes. Não vamos nos esquecer que a homossexualidade era amplamente tolerada, praticada normalmente sem que ninguém os recriminasse, ou promovesse perseguições até à morte. Com exceção de um primitivo povo que vivia na Palestina, é claro. E o texto abaixo, deve ajudar a esclarecer um pouco sobre um tema que é bem sensível à Igreja Católica, que com certeza ela não gostaria de ver divulgado. Ainda mais com ela mergulhada em escândalos de pedofilia, um papa inativo e omisso, protestos dos evangélicos contra a PL-122, o ódio religioso contra os gays, as tentativas de impedir o casamento gay pelo mundo, e assim por diante. Mas o mundo muda, “o mundo é um fogo eterno que não se apaga“.
Os santos
Para o cristianismo, santo é aquela pessoa que viveu de forma exemplar, seguindo todos os mandamentos com heroísmo e morrendo “em odor de santidade”. E as diversas igrejas que hoje seguem a doutrina cristã (a católica, a ortodoxa ou as varias denominações protestantes) ensinam que o papel mais importante dos santos é servir como elo entre o homem e Deus, operando milagres em assuntos distintos, de acordo com o tipo de vida que levaram ou por algum acontecimento isolado de suas vidas. Por isso, cada santo tem uma “especialidade” e uma data dedicada a ele, quer seja o dia de seu nascimento, de sua morte ou, ainda, de quando se converteu ao cristianismo.
O que poucos sabem é que existem homens e mulheres homossexuais consagrados como santos e santas.
E não só os gays, mas também haviam os santos zumbis. Havia um artigo no extinto blog “Religião é Veneno” que falava bastante sobre o Necrocatolicismo. Uma pena, esse material seria ótimo como base para um futuro artigo.
O historiador da Universidade de Yale John Boswell (1947-1994), autor de inúmeras obras sobre o assunto, publicou suas pesquisas sobre a existência e a historia de santos gays em dois livros com maior ênfase: Christianity, Social Tolerance and Homosexuality (Cristianismo, Tolerância Social e Homossexualidade) e Same-Sex Unions in Premodern Europe (Uniões do Mesmo Sexo na Europa Pré-Moderna).
Em seus estudos, Boswell aborda desde a historia de Perpétua e Felicidade na Antiguidade (ama e escrava que se tornaram santas populares entre a comunidade gay devido ao profundo afeto que as unia), ate os santos considerados “patronos” das uniões homossexuais, São Sérgio e São Baco.
São Sérgio e São Baco
No começo do século IV AEC, na região onde atualmente fica a Síria, viviam Sérgio de Resapha e Baco de Barbalistus, considerados um casal de amantes. Nobres romanos, eles tinham altos cargos no exercito do imperador César Maximiliano, quando então se converteram e se tornaram cristãos. Entretanto, como o cristianismo era considerado uma seita perigosa, eles foram denunciados, presos e torturados brutalmente para abjurarem a fé crista e voltarem aos deuses romanos. Baco morreu logo, mas Sérgio teve de suportar intensos sofrimentos ate ser, finalmente, decapitado.
O fato de formarem um casal, contudo, não representava um problema. Segundo Boswell, não só a Igreja Católica da época acolhia bem os homossexuais como também celebrava casamentos entre eles, o que perdurou ate o século XV.
São Aelred de Rievaulx
Em 1134, aos 24 anos, Aelred entrou para a Ordem Cisterciense. Em 1147, tornou-se abade na cidade inglesa de Rievaulx, onde viveu como monge celibatário pelo resto de sua vida.
Em seus escritos, prevenia ardentemente seus companheiros de clausura sobre as dificuldades da abstinência sexual – agravada, no seu caso, por sua inclinação tanto por homens quanto por mulheres. Ele também conta que, quando ainda noviço e responsável pelo treinamento de jovens, usava um tanque cheio de água gelada para mergulhar e assim poder controlar seus desejos carnais.
Aelred era um homem de paixões fortes, que falava abertamente de seus relacionamentos, inclusive de sua paixão por outro rapaz em seus tempos de escola. De todas as contribuições que deixou para a Igreja, a mais importante é a certeza de que podemos nos aproximar mais de Deus através das relações que cativamos.
São Sebastião
Embora existam imprecisões na historia do santo mártir, sabe-se que, em 286 EC, ele era capitão da guarda pessoal e homem de confiança do imperador romano Diocleciano, mesmo sendo cristão convicto e confesso (alguns, por isso e outros motivos, acreditam que eles eram amantes). Denunciado por manter conduta branda com prisioneiros cristãos, foi condenado à morte com flechadas, com a intenção de prolongar ao máximo seu sofrimento. Diz a tradição que foi socorrido e curado por Santa Irene.
Assim que se recuperou, se apresentou diante do imperador para censurá-lo por sua crueldade com os cristãos. Diocleciano mandou que seus guardas o espancassem ate a morte, o que ocorreu no dia 20 de janeiro de 288.
Os simbolismos da historia do santo – um homem perseguido, martirizado e condenado à morte por assumir a sua condição (de cristão) – acabaram por influenciar vários celebres artistas homossexuais ao longo dos dois últimos séculos, que se apropriaram tanto da historia quanto da imagem de São Sebastião (leia-se as iconografias andróginas feitas por artistas renascentistas) para criar uma auto-imagem, uma referencia gay universal. Entre eles, Oscar Wilde, Federico Garcia Lorca, Rainer Maria Rilke, Thomas Mann, Yukio Mishima e Jean Cocteau.
Nas ultimas décadas, com a organização e crescimento de movimentos GLBT, São Sebastião acabou sendo adotado por homossexuais do mundo inteiro, e hoje ate a cultura popular o reconhece como “santo padroeiro dos gays”.
As Uniões Homossexuais
Segundo o historiador Boswell, a união entre duas pessoas do mesmo sexo era comum na Europa cristã até meados do século XIV. E a Igreja Católica da época não só aceitava os casais homossexuais como também celebrava a união. Na oração de bênção utilizada na cerimônia são citados os apóstolos Felipe e Bartolomeu, acrescentando outra evidencia à forte tradição (ou lenda), que existe desde o inicio do cristianismo, segundo o qual eles formavam um casal. Vejamos abaixo:


“Ó Senhor, nosso Deus e governante, que fizeste a humanidade à Sua imagem e semelhança, e lhe destes o poder da vida eterna que aprovastes quando seus santos e apóstolos Felipe e Bartolomeu se uniram, juntos em par, pela lei da natureza e pela comunhão do Espirito Santo, e que também aprovastes a união dos seus santos, mártires, Sérgio e Baco, benditos também a estes servidores (…), unidos em casal pela natureza e pela fidelidade. Permita, Senhor, que eles amem um ao outro, sem ódio, e possam continuar juntos sem causar escândalo, todos os dias de suas vidas, com ajuda da Santa Mãe de Deus e de todos os seus Santos, porque Tu és o poder e o reino e a gloria, Pai, Filho e Espírito Santo”.
Para mais referencias sobre o assunto, vejam em Homossexualidade na Igreja – Uma Tradição Medieval. E em relação à Igreja e os Gays,
Em minha opinião, se os homossexuais soubessem que tais casamentos homoafetivos eram realizados pela ICAR até o século XIV conforme alega Boswell, eles teriam um motivo histórico e politico muito forte para lutarem por seus direitos e desmoralizar a posição da Igreja Católica, além de inúmeras seitas homofóbicas do protestantismo  evangélico. É uma pena que o livro de Boswell não esteja disponível em português aqui no Brasil, creio que seria uma leitura muito interessante.

Este texto não é de minha autoria, foi retirado do link: 

16 setembro 2011

Preciso de Um Amor (Homo) Para Minha Vida


Li no perfil de um amigo no facebook: “Preciso urgentemente encontrar um novo amor para minha vida isso é essencial para a mim” e coisas do gênero. Não fiz nenhum comentário para não parecer intrometido, dias depois um colega comentou a mesma coisa pessoalmente, então olhei para ele e perguntei se gostaria de minha opinião sobre aquele assunto.  Disse que sim por  isso estava comentando aquilo.
Bem penso que essencial para a vida é ar, comer, beber, vestir..., uma paixão é bem legal também, mas não é pelo fato de não ter tal sentimento que a vida vai se tornar menor ou infeliz.  Creio que não devemos ter pressas para viver grandes paixões, e se ele não vir a vida não acaba por isso, há tanto na vida que trás realização.
Essa também de sair de um amor e logo querer entrar em outro também não é algo positivo, o bom é deixar o sentimento passar antes de procurar outra pessoa, como dizia minha avó, dar tempo para esquecer o defunto, chorar tudo que tem se tiver vontade, depois deixar tudo para trás, levar de lá só as boas lições e aprendizagens.
Tenha certeza, uma paixão trás algo gostoso para a vida, mas você não depende dela para ser feliz.
Se servir e for oportuno dou algumas dicas quando se estiver em um relacionamento: 1-Não invente fantasias para gera ciúmes ou testar o outro; 2-Nunca se relacione com alguém que não aceita sua condição sexual (não precisa assumir para outros, mas para si próprio); 3-Nunca cobre do outro que ele prove seus sentimentos; 4- Dê sem esperar e se não receber o mesmo sentimento de dedicação, respeito dialogo, compreensão..., pule fora; 5-Nunca tome decisões de forma precipitada (me momento de raiva ou alegria grande) pense bem antes de tomar uma decisão e quando tomá-la assuma as consequências; 6-Tente se por no lugar do outro e compreende-lo; 7- Nunca se anule por causa de ninguém.
Em um relacionamento o outro nunca será exatamente aquilo que você quer, nem tão pouco você o que ele busca. Relação entre duas pessoas sempre terá suas diferenças, mesmo que ele seja acompanhado do que chamamos de amor, isso serve para heteros ou homos.

12 setembro 2011

Virou Noticia

Travesti Luana Riani é Brutalmente Assassinado em Rondonópolis e tem R$ 300 ganhos cinco programas Roubados

O travesti assassinado em Rondonópolis (212 km de Cuiabá) foi identificado pela Polícia Civil como Wagner de Oliveira Batista, de 25 anos, conhecido como Luana Riani. Além de ter sido assassinado com requintes de crueldade, o assassino ainda roubou cerca de R$ 300 da vítima, dinheiro que o travesti conseguiu por ter realizado cinco programas. Além do dinheiro, o homicida ainda levou os documentos pessoais da vítima.
A última vez que a travesti foi vista foi às 2 horas, em um ponto da Avenida Presidente Médici. O corpo foi encontrado por volta das 6h30 degolado, com as mãos amarradas para trás e um ferimento por uma paulada, no bairro Jardim Morumbi.
A mãe da vítima esteve na delegacia na tarde desta quinta-feira (08) junto com a presidente do grupo Vida Ativa - entidade de apoio aos travestis - Pâmela Beauty, para informar ao delegado Henrique Meneguelo que uma pessoa procurava o filho insistentemente em sua casa, e que esta pessoa poderia ser o suspeito pelo crime.
Pâmela acredita no crime premeditado. “Acho que foram fazer uma farra e acabou assim. Isso acontece muito em nosso meio. Uma morte assim não tem justificativa”. O caso será repassado para a Delegacia de Roubos e Furtos pela suspeita de latrocínio (roubo seguido de morte)

 Lésbicas denunciam casos de preconceito médico

10/9/2011 12:41, Por Redação, com ABr- Rio de Janeiro
Lésbicas denunciam casos de preconceito médico no Rio de Janeiro. Segundo a denúncia, os médicos deixaram de solicitar, durante consultas ginecológicas, o exame que pode ajudar a prevenir o câncer de colo de útero porque elas não mantêm relações sexuais com homens.
A ONG Grupo Arco-Íris informou que constatou o problema na rede de saúde pública e privada da capital fluminense. Na pesquisa qualitativa Atendimento Ginecológico Diante de Práticas Lésbicas e Bissexuais, todas as 20 mulheres entrevistadas em 2010 relataram que depois de revelada sua orientação sexual, os médicos não pediram o exame.
-Os profissionais não reconhecem vida sexual entre duas mulheres, afirmou a coordenadora da pesquisa e uma das diretora da ONG, Marcelle Esteves. "É assustador porque só se pode fazer a prevenção do vírus de HPV - sexualmente transmissível - a partir do exame ", destacou a diretora, lembrando que mesmo sem se relacionar com homens, as lésbicas fazem sexo.
O levantamento constatou também que entre as lésbicas, as que têm identidade mais masculinizada são menos submetidas ao preventivo que as demais. "Eles [os médicos] não pedem [o exame] e não sabem nos aconselhar sobre o risco de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, como o HPV. É sempre a mesma coisa", reclamou a estudante Fabiana Ormonde.
Diante do problema, o Fórum de Mulheres Lésbicas e Bissexuais do Estado do Rio quer que o foco das campanhas sobre DST e AIDS não seja apenas os TRAVESTIS e homossexuais. Para as ativistas, é preciso divulgar mais informação sobre a transmissão de DST entre mulheres que fazem sexo com mulheres e aprofundar projetos de sensibilização com as secretarias de Saúde.
O fórum também defende a distribuição de PRESERVATIVOS específicos para sexo entre mulheres, mas que ainda não são produzidos em escala no Brasil. "Em uma fábrica de São José de Campos (SP) desenvolvemos com dinheiro de uma fundação internacional um protótipo com base em modelos dos Estados Unidos e da Malásia. Vem sendo aprovado", disse Marcelle.
Com a capacitação de servidores em clínicas de Saúde da Família, a Coordenadoria da Diversidade Sexual da capital fluminense disse que precisa primeiro assegurar o atendimento à população de gays, lésbicas e TRAVESTIS (LGBT) nos postos de saúde. "Nesse primeiro momento, não pensamos nisso por uma questão de atribuições", disse o coordenador do programa, Sérgio Camargo.
A Secretaria Municipal de Saúde reafirma que não existe motivo para os médicos não pedirem o preventivo às lésbicas. Gisele Israel, da Gerência do Programa de AIDS, atribui o problema ao preconceito e ao desconhecimento. "Como os profissionais não passam por uma proposta de qualificação com um olhar para o diferente, os serviços se constituem sem um olhar apurado".
O superintendente de Vigilância Ambiental e Epidemiológica da Secretaria estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, confirma que mesmo com capacitação não é fácil mudar a rotina do atendimento. "Capacitamos os gestores municipais, a questão das lésbicas está inserida nos programas de saúde da mulher, mas precisamos romper paradigmas".
Segundo os gestores ouvidos pela Agência Brasil, a produção de PRESERVATIVOS para o sexo entre mulheres ainda é inviável porque o produto não tem as certificações necessárias.



CORREIO DO BRASIL - RJ